Bisel Cursos e Concursos

Como fazer um bom Mapa Mental

Uma ferramenta que auxilia na memorização do estudo.

O Mapa Mental é uma forma simples e criativa de organizar o que você estudou. Essa técnica foi criada pelo psicólogo inglês Tony Buzan, que é uma espécie esquema resumido de informações muito usada para anotação de conteúdo a fim de auxiliar na memorização e aprendizado.

O mapa mental também ajuda no processo de memorização em longo prazo, a partir do momento da confecção do mapa, elementos como cores, desenhos e símbolos , fazem com que o cérebro raciocine e grave os dados com mais facilidade.

Segundo Buzan, esse órgão capta e guarda com mais facilidade informações sistematizadas em desenhos simples e palavras-chave que sintetizam um conteúdo. Essa é a estrutura de um mapa mental e o que o torna tão simples e eficaz.

Organizar as informações estudadas em um esquema de figuras e símbolos, ajuda o cérebro a memorizar .

O mapa mental se difere principalmente daquela anotação linear , que é quando você pega o caderno e anota tudo o que acha que é importante. Ele quebra completamente essa linearidade, pois ele já começa no meio de uma folha e os ramos vão saindo para todos os lados.

A construção do mapa mental facilita você raciocinar sobre aquilo que você está estudando, ou pelo projeto que está trabalhando. Ela estimula também seu raciocínio porque tem um formato radial, onde você vai colocando ramos sem limite.

Você tem dificuldades para lembrar o conteúdo que estudou? Na hora da prova vem aquele “apagão” desesperador? Você estuda, lê dezenas de páginas, faz exercícios, mas não parece o suficiente? Um mapa mental pode ser a solução.

Saber diferenciar conteúdo e método é essencial no processo de aprendizagem. Para desenvolver a concentração, melhorar a absorção e lidar com o excesso de informações, os mapas mentais podem ajuda-lo a aprender mais profundamente e de maneira mais ágil.

Com a ferramenta, a absorção e criação de conhecimentos tornam-se mais interessantes e criativas. Nesse caso, é recomendado que o mapa seja desenhado a mão, assim, é possível que o cérebro tenha um tempo para receptar as informações.

 

Um princípio importante do mapa mental são os desenhos, porque são eles os responsáveis por ajudar o cérebro a guardar uma informação. Por isso, você vai precisar desenhar (ainda que de forma bastante simples) os dados necessários para compor seu mapa mental.

Se o seu objetivo é estudar, nada melhor do que fazer um mapa mental a mão, pois a efetividade do mapa mental advém principalmente do fato de que você o faz à mão. O estudo ativo ajuda na memorização e mantém seu cérebro mais alerta no processo de aprendizado.

Para praticar, você pode começar a fazer mapas de temas simples, como listas de tarefas. Com o tempo, a produção desses mapas mentais será cada vez mais rápida e prática.

Para elaborar um mapa mental, é preciso que você tenha conteúdo. Isso significa que é muito difícil resumir e condensar um assunto se o seu conhecimento for superficial.

Primeiro, entenda o assunto, leia os autores recomendados e faça exercícios. Depois, elabore o mapa mental com os tópicos mais importantes como uma ferramenta de fixação do conteúdo já estudado.

Depois de entender o que é e como funciona o mapa mental, separar os materiais e ler bastante sobre o conteúdo, chegou a hora de finalmente fazer o mapa mental.

No centro do papel em branco, escreva ou desenhe o tema principal.

O nosso cérebro não funciona de maneira linear: ele pensa uma coisa aqui, depois lembra de outra coisa ali, mais tarde ele se aprofunda um pouco mais sobre outro assunto e por aí vai…

Por isso, a “forma tradicional” de escrever (uma linha embaixo da outra e sempre com a mesma cor de caneta) é a pior maneira possível para você raciocinar sobre alguma coisa.

O mapa mental, por sua vez, funciona a partir de um elemento central que irradia do centro em direção às bordas, de forma que você possa respeitar a forma de funcionamento natural do seu cérebro.

O mapa mental é constituído de “ramificações” onde sempre se parte de um elemento principal (palavra-chave) e é ligado à um subtópico.

Depois de desenhar ou escrever qual é o assunto do mapa mental no centro do papel, conecte-o aos tópicos principais.

Para isso, você pode utilizar setas, linhas ou o que mais achar interessante. Quanto mais colorido e ousado, mais interessante será para o cérebro.

Essas conexões podem ser de dois, três ou até quatro níveis. O importante é organizar as informações de forma sucinta e criativa.

É importante evitar também fazer linhas retas para essas conexões. Qualquer estrutura comum vai entediar se cérebro, e isso é distração na certa.

Ter desenhos e símbolos visuais é outro segredo para melhorar a aprendizagem. Como eu já disse, a memória é muito visual, por isso as pessoas aprendem muito mais fazendo associações com os símbolos e o conceito que eles representam.

Essa é parte mais negligenciada pelas pessoas que tentam fazer mapas mentais: o uso das palavras-chaves.

Evite usar frases inteiras ou com mais de 2 palavras para montar os “ramos” que conectam seu mapa mental; isso vai ocupar muito espaço e não facilita a memorização.

Fonte de consulta :manualdasecretaria.com.br

0 respostas em "Como fazer um bom Mapa Mental"

Deixe uma mensagem

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

BISEL CURSOS E CONCURSOS © 2019. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.

CRIAÇÃO E DESENVOLVIMENTO: PÁGINAS E APLICATIVOS

www.agenciapaginaseaplicativos.com.br

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!